Jump to content


Photo

Universidades pesquisa e mercado de trabalho


  • Faça o login para participar
Nenhuma resposta neste tópico

#1 Mister_Magoo

Mister_Magoo

    Turista

  • Usuários
  • 29 posts
  • Sexo:Não informado
  • Localidade:Mundo-Bem-Distante

Posted 19/04/2017, 09:53

Desde que entrei na faculdade percebi algo: a grande maioria dos alunos que estão lá querem sair sabendo o que o mercado exige, com diploma na mão e ganhando muito dinheiro.

 

Se no curso existe uma disciplina que o mercado não necessita, então alguns alunos torcem o nariz para ela pois é desnecessária – isso quando o próprio professor não desestimula os alunos.

 

Dessa maioria, quase nem encontramos pessoas dispostas a permanecerem na faculdade a fim de realizarem pesquisas ou dedicarem-se à própria faculdade.

 

E o que mais me intriga é que muitos dos alunos que almejam o mercado desconhecem a pesquisa. Alguns pensam que ser pesquisador é ser pobre, é ser louco, não ter vida e mais alguns absurdos. Inicialmente se nota que muitos têm uma ideia que nem eles sabem ao certo de onde surgiu.

 

Talvez por não conhecerem pesquisadores famosos, ricos, que dão autógrafos.

 

Quem sabe?

 

Outro ponto importante é que algumas faculdades realizam pesquisas mas não esclarecem com profundidade aos alunos o que é pesquisa e o que é ser pesquisador.

 

Em alguns casos as defesas são realizadas quase as escondidas e ainda que divulguem a defesa em locais de acesso dos alunos, não o fazem de forma incentivadora: penduram a data, hora e assunto da defesa mais como se fosse uma nota, algo sem importância do que se fosse o trabalho de alguém que merece ser ouvido, que descobriu ou aprimorou algo de interesse de toda a comunidade acadêmica.

 

Às vezes parece que até a própria faculdade desestimula os alunos em vez de incentivá-los a pelo menos conhecerem a pesquisa e perderem seus preconceitos.

 

Os pais, pobres coitados, alguns estão mais desorientados que os filhos. Querem que o filho saia da faculdade empregado pois é a única possibilidade que conhecem – é como se nessa vida a condição fosse trabalhar, como se não existissem outras opções.

 

E apesar de eu achar que algumas faculdades incentivam pouco os alunos a pesquisarem, é notável como existem professores que se incomodam com essa visão da maioria que visa o mercado.

 

Dia desses eu assistia a uma apresentação sobre o ICMC e seus cursos. E muitas das perguntas feitas pelos pais e alunos eram somente sobre empregabilidade e em qual curso o mercado paga mais.

 

Quando os professores respondiam era notável o desconforto de alguns, eles chegavam a citar sobre pesquisa, que tentavam segurar alguns alunos para a pesquisa mas que muitos queriam mesmo era partir para os negócios.

 

A área de pesquisa é pouquíssimo divulgada e a única possibilidade que muitos enxergam é o trabalho. Alguns nem sabem como é que se torna um pesquisador e o que é preciso fazer para ser um pesquisador.

 

Falar que já no ensino médio os alunos deveriam ter um contato com essa área seria sim uma possibilidade, mas quando isso acontecerá?

 

Então essa responsabilidade passar a ser parte da faculdade, mas eu não vejo um real incentivo, uma exibição prática de o que faz um pesquisador e como é sua vida.

 

Por isso muitos alunos acabam optando pelo que já conhecem, pela certeza que já possuem: o mercado de trabalho e hoje posso afirmar eu ganho mais com mini sites para revenda do que o período que estava na faculdade.

 

Ano novo não significa resetar a vida






0 user(s) are reading this topic

0 membro(s), 0 visitante(s) e 0 membros anônimo(s)

IPB Skin By Virteq